Posse do novo presidente

Entrou o novo presidente. Não votei nele e ele é um pacote de problemas políticos: intelectualmente limitado, com pouca paciência, debochado. Não reconhece problemas alheios, populista lacrador de internet. A cara do Brasil. Temente a seu deus, quer impor sua crença para o país. Com mania de perseguição, acha que pegou a direção enquanto a nação se vestia de socialista, comunista, vermelha. Quem dera…

O Brasileiro é um gordão de uns 32 anos e uns 1,80m. Pesa uns 150kg, usa chinelo menor que o seu número (ou o pé está muito inchado). O calcanhar está raspando no chão por causa do chinelo gasto. Sua cara feliz está suja com os restos do churrasco que comeu há pouco. Debaixo dos braços está molhado de suor. Ele dá uma amassadinha no saco contando da última mulher que importunou enquanto sorri olhando se sua mulher não está por perto (ela estava dando comida para seus dois filhos). Faz uns passinhos de dança quando toca seu batidão favorito. Este batidão é um sucesso que mistura funk carioca com sertanejo e pagode. Tem até uma batida de reggae no meio – e um break com uns 5 segundos de rap. Torcedor de um time qualquer que ele defende dizendo ser o melhor de todos e discursa razões para isso. Tem um prato de plástico sujo de farofa com vinagrete e uns ossos de frango numa mão. Na outra um copo de plástico com uma cerveja onde se vê migalhas de pão que saíram de sua boca na última golada. Sua camiseta sem manga tem umas frases em inglês e sua bermuda de nylon tem muitas cores. Ele sua o calor tropical do nosso querido Brasil misturado com o calor da churrasqueira do sítio alugado pelo tio.

Esta publicação inaugura uma fase de opiniões pessoais aqui. Vou dar um jeito de esconder isso no fluxo normal do blog porque acho que não importa muito aos outros. Mas para meu exercício de texto é importante. Vou instalar um escondedor de publicações de determinada categoria. Urrú!

Tatuagens – O início

Ontem fui no aniversário da tia Vera, evento mais tradicional da família Bertolini. Lá mostrei para meus sobrinhos as fotos de algumas tatuagens que venho fazendo. Causou repugnância pela minha mãe. E pelo meu sobrinho! O Miguel tinha uma ideia pré-concebida de tatuagens muito interessante. Chegou a falar que era coisa de viciado e que esperava que eu não fizesse mais isso. Mas ele ficou bem confuso quando minha irmã manifestou o desejo de fazer uma tatuagem. Ia ser legal tatuar minha irmã!

Na real esta publicação é mais para eu conseguir juntar todas as tatuagens do começo que estou fazendo aqui. Já fiz em 4 pessoas: Léo, Vini, Cissa, Marcel. Tenho que aumentar esta lista.

1 – Tatuar na vertical. No começo eu não tinha prática e tentava tatuar a pessoa em posições em que a pele dela não estava na horizontal. Aí ficava inclinando a máquina e a tinta não ia para o lugar certo…

2 – Treinar bastante…

3 – Deixar alta a velocidade da máquina. Antes, por dó de minhas cobaias, eu deixava a velocidade da máquina baixa e ela não fazia direito as perfurações. Hoje, tatuando meu primo Marcel, treinei com uma agulha fina e velocidade alta. Ela foi bem, mas tive a impressão de que eu poderia ter usado uma agulha mais fina. A velocidade alta faz com que o traço fique mais grosso, porém mais preciso.

Progressos dos testes com SVG

Este texto é uma continuação deste.

Criei um repositório no GitHub para manter as versões organizadas. Vou fazer aqui uma lista de backlog para eu não me perder no projeto. Na real já deturpei um pouco a primeira intenção. Mas o que importa é o desgoverno do avanço epistemológico. Affe…

Acabei criando também um kanban no Trello. Puxa vida, que rapaz mais organizado.

Mas o maior avanço deste tema aconteceu hoje durante uma conversa com meu primo Marcel. Marcel é professor de matemática na Universidade Federal do Pará. Perguntei pra ele sobre a existência de alguma solução para criar as curvas fechadas simples – que elas não fossem do tipo não-simples. Ele não sabia. Mas fomos conversando sobre o assunto e a conclusão que cheguei com a ajuda dele foi que melhor será não trabalhar com o desenho, mas sim com as formas. Fazer um amontoado de formas para montar as que eu quero. Um número de formas pré-definidas que fossem alteradas em sua escala, deformação horizontal e vertical, rotação. Depois seriam amontoadas e soldadas. Como na imagem destacada desta publicação.

Teste

Isso é um teste para uma publicação no formato Status. O que seria isso??

Vou escrever aqui que estou pensando em ficar legalzão nesse tempo batuta que me tem!

Produtos

OK, tenho formação em design e preciso ganhar dinheiro. Não sou besta de achar que existe dinheiro fácil por aí, mas acho que um produto pode ser legal. Um que junte meus conhecimentos em escultura, design, usabilidade, eletrônica e figurino. Uma almofada com luz. ã?

Este desenho é baseado no uso do verniz pink com fio eletroluminescente aplicado (costurado) nas emendas. A peça é uma mistura de escultura com almofada.

Quero pensar em uma linha de almofadas tecnológicas. Com luz e com função (tipo uma com vibração, uma com aquecimento, uma com massageador).

Formas aleatórias

Ontem consegui fazer funcionar a biblioteca de JavaScript SVG.js. Aí consegui fazer um morph com um retângulo (que seria um botão) para um retangulão (que viraria uma cor de fundo de tela). Primeiro peguei o tamanho da tela do ‘cliente’, posicionei o botão no meio da tela e, quando ele era clicado, os 4 pontos que o formam viravam uma imagem final e um comando de morph era lançado.

Hoje pensei que poderia retomar uma ideia antiga: criar um gerador de formas aleatório. Baseado nas formas que costumo fazer nas minhas séries de desenho/pintura, um criador de curvas vetoriais fechadas simples que se alternassem em morph.

Na real, esta galeria mostra a investigação com formas que eu estava fazendo um ano atrás. Ela imediatamente me dá a ideia de outra possibilidade de exploração de um gerador de imagens aleatórias – que seria esta composição com as formas criadas de modo a gerar uma imagem harmoniosa ou não. Enfim, vou organizar um método para explorar isso.

Também devo dizer que esta volta ao digital se deve a minha condição de estar desempregado e sem trabalho e sem meu local de desenvolvimento de projetos artísticos – a salinha. Ela está em reforma, estão trocando o telhado! Que beleza! E aqui vai o método de criação das formas:

1 – Uma imagem em SVG pode ser do tipo polígono, retângulo, círculo, etc, etc. Estas são figuras geométricas primitivas. As que eu pretendo trabalhar são do tipo path – que não tem um nome e são formadas ora por retas, ora por curvas entre um ponto e outro.

2 – Uma curva fechada simples tem no mínimo 3 pontos. Acho importante estabelecer um número de pontos inicial para trabalhar por causa do efeito morph que pretendo aplicar à forma resultante. Apesar de que, ao que me parece, o morph funcionou bem para formas com números diferentes de pontos.

3 – Um path em SVG pode ser formado pelos seguintes comandos – e cada um exige um formato de números posteriores que determinarão o que acontecerá a partir deste comando. Aqui está uma boa referência que ensina quais são estes ‘comandos’ e que ‘argumentos’ eles solicitam.

 M = moveto
L = lineto
H = horizontal lineto
V = vertical lineto
C = curveto
S = smooth curveto
Q = quadratic Bézier curve
T = smooth quadratic Bézier curveto
A = elliptical Arc
Z = closepath

Quando usado o comando com letra minúscula, o deslocamento é relativo. Com letra maiúscula é absoluto. Provavelmente vou usar a linha para o próximo ponto ser feita com deslocamento para um ponto cartesiano absoluto para manter os pontos dentro de um conjunto.

Os limites dos números que serão usados como argumentos de cada comando para fazer a forma serão estudados conforme o desenvolvimento do projeto – assim como de que maneira farei uma forma aleatória ser uma curva fechada simples (que não tenha cruzamento na linha que a forma).


Vou iniciar o projeto usando apenas as linhas retas. Portanto usando apenas os comandos das letras M, L, H, V e Z. Vamos lá.

Cadeiras democráticas

Há algum tempo venho pensando em um projeto que pretende aproveitar melhor as madeiras dispensadas na cidade. Tenho dó de ver a quantidade de madeira que é descartada enquanto existem pessoas com necessidades de móveis. Meu plano é fazer com algumas pessoa interessadas uma lista de móveis que possam ser construídos com madeiras dispensadas.

Par isto preciso de um espaço e de material. A madeira viria de catadores e de doações. Penso neste projeto como interessante para lugares como a ocupação 9 de Julho ou a Prestes Maia. Quem tivesse interesse poderia se juntar ao grupo para conversarmos sobre a criação dos móveis, quais suas maiores necessidades, que recursos teríamos.

Este projeto pode capitalizar sua produção fazendo a venda dos móveis fabricados. A princípio os móveis iriam para as famílias da própria ocupação, mas depois poderiam ser trocados ou vendidos – principalmente para moradores de outras ocupações.

Vou tentar falar deste projeto com pessoas que já tem alguma ligação com as lideranças das ocupações. E vou pesquisar sobre isso para ver se já não existe alguma ideia mais desenvolvida neste sentido.

Pela falta de recursos iniciais, a intenção seria usar apenas martelo, pregos e serrote. A partir daí construiríamos as cadeiras e mesas que o grupo necessitasse usar. Também poderíamos usar os recursos das marcenarias coletivas como a da Vila Itororó.

Poderíamos ter uma lista de prioridades de construção – as cadeiras e mesas da reunião, armários, caixas para guardar coisas e depois os pedidos dos moradores.