Consertando a Lâmpada LED

Peguei uma canaleta aqui da Salona para consertar. Ela tinha parado de funcionar. Verifiquei que o alguns dos LEDs estavam queimados. E que sempre queimava de 3 em 3.

Isso acontecia porque a corrente distribuía por 2 LEDs quando um deles queimava. E que isso acontecia arregaçando estes 2 LEDs, queimando assim o grupo inteiro. Eu abri a fonte e vi que ela estava OK. Fiz umas ligações de fio pulando os grupos queimados. A primeira vez que fiz isso e liguei, mais LEDs queimaram. Isso deve ter acontecido porque a tensão distribuiu pelos LEDs dando mais tensão do que eles aguentavam. Aí meti uns resistores de potência antes de levar o sinal da fonte ao circuito. Agora acontece que tudo fica piscando. Mais ou menos em um ritmo de uns 2Hz… Tá ridículo.

A fonte teve que ser controlada com uns resistores porque a tensão inteira estava queimando LEDs.
Distribuídos em conjuntos de 3, os LEDs queimavam sempre em grupinhos. Que bonita demonstração de fraternidade.

Fechei tudo e fiquei de saco cheio. Mas provavelmente mais tarde vou arrancar uns LEDs de um plafon que achei jogado fora e vou tentar substituir nesta fita para ver se funciona bem.

Ideias novas

Me ocorrem muitas ideias a desenvolver durante o dia. E isso me faz pensar se as ideias que são complementos ou desenvolvimento de outras merecem uma revisita e edição da publicação original ou se requerem uma nova publicação. A princípio vou optar por editar a publicação original complementando-a.

Uma outra ideia que tive é que a ordem cronológica contrária a que um blog normal se apresenta não vai muito de encontro com o que eu queria aqui. Provavelmente tem um plugin no WordPress para fazer a ordem cronológica de publicações… E logo após escrever isso vou complementar minha publicação de ontem. Anteontem. Oras…

Ideia de escultura cinética

Aqui está o principal motivo para eu fazer este blog. Muitas ideias minhas estavam passando batido e eu acabava esquecendo. Então preciso documentá-las de alguma forma. Aqui eu as documento e exibo para o mundo ao mesmo tempo. Vamos ver…


A ideia ilustrada na imagem surgiu a partir de uma pesquisa para incluir faíscas nas minhas esculturas cinéticas. No começo, gostaria de fazer uma escultura cinética de um Ken fazendo um Hadouken que no final soltasse uma faísca. Isso poderia ser feito com um led piscando mas o mais interessante seria fazer uma faísca saindo de suas mãos. A primeira vontade seria que esta faísca fosse feita a partir da fricção de um disco com uma pedra de isqueiro – ou como eram feitas nas antigas armas de brinquedo. Mas não encontro como fazer isso…

Meus estudos foram no sentido do Magiclick – o acendedor de fogão. A fagulha obtida nele pode ter origem elétrica (um indutor carregado de DC) ou química-elétrica. O fato de poder fazer este cristal em casa foi o que mais me interessou. Mas aqui vem um fato novo: já existe projeto de pegar o peteleco no cristal de piezo e transformá-lo em luz. Hummmm…


Uma atualização desta publicação: Enquanto vi um cara passar de bicicleta e me perguntei se ela era elétrica e vi que tinha uma caixa na garupa mas não parecia uma bateria, pensei que ela poderia ter um método de recarregamento baseada na colisão no cristal de piezo. Pensei que a roda poderia ter alguns acionadores que, batendo no cristal, levantariam a carga sucessivamente. Depois de retificado e estabilizado este sinal poderia ser um DC utilizável.

Canetas para comprar

Hoje fui no hospital visitar Sr. Ary e uma enfermeira estava com uma caneta esferográfica de 10 cores. Ora, há muito não via uma daquelas e lembrei que ela me resolveria um causo que é o de carregar um caderninho e ter que carregar um estojo para ter várias cores para poder fazer melhor minhas anotações. Então, pesquisando, vi que existe uma bem legal de 6 cores – que não tem aqueles enfeites tontos de desenho animado japonês: o corpo é cristalino. E tem uma que eu pirei – e aí lembrei de uma outra que eu queria bastante. Então esta publicação é para eu lembrar das canetas que desejaria ter.

  • caneta de 6 cores com corpo cristal
  • caneta de 4 cores + lapiseira 0.7 (esta é a Zebra Multi Clip-on, que custa uns 60 reais mas que tem duas por 60 no AliExpress)
  • lapiseira para fazer pressão nos designer – Monteverde, multi tool – esta última tem nível, lapiseira, régua, chave de fenda e philips, e só.

Coloquei um novo estilo para citações – como pode ser visto abaixo. Acho interessante usar os formatos de postagem do WordPress para diferenciar as postagens… er…

Inclui algumas linhas no CSS do estilo. Acho que isso pode dar uma cara mais interessante para o site.

Preciso lembrar de salvar este CSS depois de alguma forma para se algum dia eu precisar mudar de tema. Provavelmente isso fica gravado no banco, ou sei lá onde. Não vou procurar agora…

Alterei o tema

Pronto, agora usando um tema oficial do WordPress. Descobri que o Openness só oferecia suporte a formato de publicação para a versão Pró. Até parece… Voltando a usar o Twenty-sixteen, agora com um hack para arrancar as bordas. Vamos ver…

O hack foi encontrado aqui, mas não funcionou 100%… Vou arrancar na unha mesmo – no arquivo styles.css.


Não precisei arrancar na unha. Coloquei no styles a solução apresentada aqui. Funcionou.

Vou mudar de tema…

Já tive uma decepção aqui quando vi que não poderia colocar estilos de publicação. No blog da Pipa tem uns 8 formatos (nota, imagem, som, etc.). Nem sei se lá existe alguma alteração no layout conforme se usam estes formatos, mas era uma característica que eu queria explorar. Vou ver se consigo colocar aqui neste blog estes estilos… ou vou pensar em mudar de tema.

O tema inicialmente usado era um baseado no twenty-fifteen chamado Openness. Era um pouco mais bonito – e pelo menos não tinha aquelas beiradas horríveis que o twenty-sixteen tem, mas, poxa… quero mexer com estes post formats. Mas não quero colocar a porra do twenty-seventeen.

Alô alô, gente!

Este blog é para eu desenvolver minha escrita. Será bem pessoal mas gostaria que ele tivesse público. Assim, não incorrerei no erro de antes de escrever aqui coisas que atingiriam meus próximos e a mim mesmo. Não é uma terapia, é mais um exercício de explanação. Porque estou cada vez mais entusiasmado em pensar na comunicação como arte. Nas subversões, nas modificações de emissão e recepção, nas figuras de linguagem.

Mais para a frente pretendo ver como juntar a Pipa Musical e meu site pessoal aqui fazendo suas partes serem categorias deste blog. Por enquanto, ele que é uma parte do meu site de produções artísticas.

Obrigado. É hora do show!